Nós Cremos Também

Maria é mãe de Deus...

Jesus é, ao mesmo tempo, 100% homem e 100% Deus, e, nos planos de Deus, para encarnar e vir ao mundo, ele foi filho de Maria, sem que isto a fizesse digna de ser tratada como “parte” da Trindade; por isto que Jesus sempre a tratou como a uma “mãe” como qualquer outra, com o devido respeito de filho (Lc.2:49, Jo.2:4) sem dar a ela a atenção divina espiritual (Mc.3:31-35). Maria “Agraciada”, “Bendita entre as mulheres”... Na Bíblia (Lc.1:28, 30, 42) isto quer dizer que ela recebeu a atenção de Deus, que ela seria muito útil aos propósitos do Senhor, e que, por isto, ela seria “especial”, entre todas as mulheres. Maria era temente a Deus... Ela era totalmente humana, e desta forma, ela carecia de um Salvador, perdoador, como qualquer outra pessoa (Rm.3:10-12, 23, 5:12), pois sem Jesus, ninguém chega ao Pai (Jo.14:6). Maria foi mediadora entre Deus e os homens... quando Jesus esteve em Caná, no casamento (Jo.2:4-5), e intercedeu a Jesus pelos noivos, mas isto não permite que se negue a Bíblia, quando ela diz que só Jesus é mediador entre Deus e os homens, na vida espiritual (1Tm.2:5). Maria “Rainha dos Céus” está na Bíblia... Mas está de uma forma condenatória, afirmando que é uma grande ofensa ao Senhor Deus (Jr.7:16-19, 44:17-19, 25).

.

.

Dons Espirituais... A palavra “dom”, na Bíblia, no grego, não é “habilidade”, mas é “doação”, dádiva que Deus concede a pessoas não para status espiritual, mas para serviço no Reino do Senhor. Há o “DOM DO ESPÍRITO” (At.2:38), Deus dá seu Espírito Santo, Ele mesmo, para habitar no coração de todos que passam pelo arrependimento. Há o “DONS ESPIRITUAIS”, que são habilidades que Ele ( a Trindade) dá aos salvos (1Co.12:4-6), principalmente para três propósitos únicos: (1)Para Proveito comum, edificação da igreja (1Co.12:7, 14:12, Ef.4:12) e se não produzir isto, se afetar a comunhão da igreja, não é dom, (2)Para ser, cada habilidade, distribuído a um ou outro, e nunca a muitos ao mesmo tempo (1Co.12:8-10), pois Deus não faz confusão no culto, mas decência e ordem (1Co.14:33, 40), se promove gritaria não é dom (Ef.4:31), (3)e Para atender à Vontade do Espírito (1Co.12:11) e não a vontade de quem precisa para satisfazer a si ou aos outros que cobram alguma manifestação pública de se ter este ou aquele dom espiritual. Há “DONS ESPIRITUAIS DE UNÇÃO” (Ef.4:11), de mais longa duração na vida de pessoas; Há “DONS ESPIRITUAIS DE LIDERANÇA” (Rm.12:6-8) de duração menor na vida das pessoas; e Há “DONS ESPIRITUAIS DE SERVIÇOS” (1Co.12:28) de curtíssima duração na vida das pessoas, como o caso de Paulo em Efésios, foi usado por Deus para curar muitas pessoas (At.9:11-12) por algum tempo, mas depois não tinha este dom (1Tm.5:23, 2Tm.4:20). Dom de Línguas... Paulo diz que a língua que acontecia na igreja de Corinto, não era dom espiritual, pois eram línguas ininteligíveis, que ninguém entenderia nunca, que não falava aos homens (1Co.14:2) nem tão pouco a Deus, por serem sem sentido algum (1Co.14:7-11), que não edificava a igreja (1Co.14:4); que era praticada por desinformados, meninos na fé (1Co.12:1, 14:20). Ele informou que o verdadeiro dom de línguas, Deus havia mencionado no Antigo Testamento, eram idiomas estrangeiros (1Co.14:21), e que Deus não usa este dom, na igreja, para falar aos crentes, mas somente em situações que falem aos não crentes (1Co.14:22); exatamente como aconteceu em Jerusalém, em Pentecostes, quando os apóstolos falaram em vários idiomas e pessoas de vários países entenderam, cada um, em seu próprio idioma (At.2:4-5, 8-11), repetido na Judéia, na casa de Cornélio (At.10:46, 11:17). Línguas como “rarasan subai”, “Reressi siriri”, “Au Au Au”, “glória, glória, glória” e outras sem sentido algum, são fruto de mentes ignorantes (1Co.12:1), de religiosos imaturos (1Co.14:20) que gostam de status religiosos em suas igrejas, satisfazendo as exigências dos que lhes impõem este comportamento anti-bíblico. Dom de Profecias... Na Bíblia, no grego e no hebraico, “profetai” não tem o sentido de advinhador, estes eram chamados de “videntes”, eles anteviam coisas, eventos, e dizia. Nem todo Vidente era profeta; o profeta era aquele que recebia recados de Deus, e só no Antigo Testamento é que Deus falava muitas vezes e de muitas maneiras a eles (Hb.1:1-2) e tinham a responsabilidade de falar às pessoas, e muitas vezes, nestes recados, incluía-se a previsão de muitos acontecimentos a Israel, não previstos por eles, mas como parte do recado que receberam para pregar ao povo. Profecia no Novo Testamento é, apenas, o “proclamador” da Palavra de Deus, já que, depois de Jesus, o Pai só fala pelo Filho (Hb.1:1-2). Dom de Revelação... o cristianismo-pagão diz que é a capacidade de desocultar coisas acontecidas no passado, presente ou futuro, por revelação da divindade. Na Bíblia, o dom espiritual de “Revelação” (1Coríntios 14:26) tem outro sentido, o de desvendar o ensino que parece “difícil” no texto bíblico(2Pedro 3:15-16), como se faz com a negativa de uma foto, que do confuso se torna nítido; já que não há mais nada para se revelar, da parte de Deus. Muitos confundem Revelação com Profecia só que está na Bíblia quer dizer “pregação da Palavra”, “proclamação do recado de Deus” (o recado de Deus hoje é só a Bíblia(Hebreus 1:1-2, João 5:39), e não a habilidade de falar de coisas ocultas. Se Deus usasse estes artifícios místicos, seria só com o objetivo de salvar não poucas pessoas, mas muitas; só que Ele sabe que isto não funcionaria adequadamente(Lucas 16:30-31).

IBC . H . F .

32 anos Testemunhando

.

.

.............

.

........

...